fbpx

Coronavírus: Poderá o exercício físico fortalecer a imunidade?

Num momento em que a informação se propaga de forma rápida e em massa, é muito importante saber distinguir notícias fidedignas de informações falsas ou crenças sustentadas em superstições. A pandemia que hoje enfrentamos, com o surgimento do novo coronavírus, tem provocado medo e ansiedade, levantando diversas questões. Para tentar dar resposta a algumas perguntas que me têm colocado, decidi aprofundar o meu estudo sobre este tema, nomeadamente sobre a relação entre o exercício físico e a imunidade.

O exercício físico e o coronavírus

Dado o seu aparecimento recente, devo salientar que não encontrei qualquer base científica sobre a relação entre o exercício físico e a doença provocada pelo novo coronavírus (Covid-19).

Não sendo médico nem especialista em doenças infeciosas, procuro, enquanto professor de Educação Física, trabalhar e aconselhar os meus alunos da forma mais responsável possível. Assim, recomendo que todos os que tenham interesse em saber mais sobre a Covid-19 o façam junto de entidades como a Direção-Geral da Saúde.

Para tentarmos perceber a relação entre o exercício físico e o reforço da imunidade, convém primeiro entendermos como funciona o nosso sistema imunitário.

O sistema imunitário humano

De forma muito simples, o sistema imunitário (ou imunológico) tem como função proteger o nosso organismo de elementos externos. Podemos dividi-lo em duas partes, que atuam em sinergia através de mecanismos diferentes: inato e adquirido.

O nosso sistema imunológico inato serve como primeira linha de defesa contra os agentes invasores. É natural (nasce connosco), não específico e tem como função barrar a entrada de micro-organismos no nosso corpo, de várias formas:

  • Através de barreiras físicas como a pele e as mucosas;
  • Através de barreiras químicas como o pH dos fluidos corporais;
  • Pela ação dos fagócitos, glóbulos brancos que ingerem partículas estranhas ou células mortas, ajudando no combate a infeções.

Quando a primeira barreira imunitária falha, é desencadeada a imunidade adquirida, que consiste num processo adaptativo e específico. Neste caso, a exposição a elementos invasores leva certas células a produzirem anticorpos, que ajudam a combater futuras agressões por esses elementos.

Existirá uma relação entre exercício físico e imunidade?

Quando comparadas as funções imunológicas de atletas em repouso com indivíduos sedentários, não há diferenças a nível da imunidade adquirida. Existe, contudo, alguma dificuldade em relacionar nível e função imunológica com infeção e doença.

Alguns dados sugerem uma fragilidade do sistema imunitário após esforços extenuantes, mas apenas na resposta aguda (3 a 72 horas) e dependendo do grau de esforço. Ainda assim, a verdade é que, mesmo nesses períodos de fragilidade, não foram registados índices de infeção respiratória superior mais elevados do que os do grupo de controlo (indivíduos sedentários).

Estudos sobre a influência do exercício físico moderado na imunidade mostram um dado interessante. Uma caminhada acelerada realizada quase diariamente, ao longo de 12 a 15 semanas, reduz para metade o número de dias de doença. Outras publicações, testando a aplicação de protocolos de exercício físico regular e moderado em doentes oncológicos recuperados, revelam uma menor suscetibilidade à doença ou infeção do que no grupo de controlo.

Importa dizer que não encontrei nenhuma revisão sistemática que estudasse esta relação entre exercício físico e imunidade. Mantém-se, no entanto, como uma hipótese bastante válida a ação positiva que a atividade física moderada tem no reforço do sistema imunitário. A ciência não é clara, mas aparentemente existe uma melhoria da resposta imunitária em sujeitos que treinam mais frequentemente.

Poderá a atividade física regular ajudar a enfrentar o coronavírus?

Como já percebermos, ainda é muito cedo para podermos afirmar que a prática de exercício físico possa reforçar a imunidade e ajudar no combate ao coronavírus. Mas o certo é que a prática de exercício físico só trará benefícios. Além de melhorar a resposta imunitária, interfere nos fatores de comorbilidade (presença, na mesma pessoa, de duas ou mais doenças). O sedentarismo, seja em que altura for, está relacionado com o aparecimento de fatores de risco (como diabetes, hipertensão e obesidade) para desenvolver doenças cardiovasculares.

Os relatórios mais recentes da Sociedade Europeia de Cardiologia são muito claros nas suas recomendações:

  • Praticar exercício físico moderado entre 3 e 5 vezes por semana;
  • Aumentar a atividade física diária;
  • Fazer uma alimentação saudável e equilibrada.

Agora que vemos a nossa atividade física reduzida de forma drástica, devido à quarentena e ao isolamento social, uma simples rotina de treino em casa torna-se imprescindível.

Despeço-me, para já ainda à distância, mas ansioso por ajudar-vos a todos pessoalmente num futuro próximo. Mantenham-se seguros, mantenham-se ativos, mantenham-se saudáveis. Continuem a praticar exercício físico e reforcem a vossa imunidade!

Faça as nossas aulas em direto através dos canais do Facebook e Instagram. Subscreva o nosso blog para uma ajuda extra!

 

SUBSCREVA O BLOG

 

António Pedro Jorge
António Pedro Jorge

Personal Trainer e Master Trainer Go Gym

Partilha este artigo:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Aceito a Política de Privacidade*Dou o consentimento para o tratamento de dados*

O GO GYM está comprometido com a implementação do RGPD. Para podermos tratar os seus dados pessoais, necessitamos do seu consentimento. Clique aqui para conhecer a nossa Política de Privacidade.